EMERSON MERHY RECEBE O TÍTULO DE DOUTOR HONORIS CAUSA DA UNIVERSIDADE DE ROSARIO, ARGENTINA

01/02/2020 9:28 a.m.
News image

O coordenador nacional do eixo Saúde, Arte e Cultura da Rede Unida, prof. Emerson Elias Merhy, recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Rosário na Argentina. Tal honraria foi recebida no dia 7 de novembro de 2019, diretamente das mãos do reitor, Franco Bartolacci, e o diretor do Cento de Estudos Interdisciplinares, Darío Maiorana, no Espaço Cultural Universitário.

Sendo um dos fundadores do Movimento pela Reforma Sanitária, cujo um dos importantes marcos foi a fundação do CEBES e sua Revista no início dos anos 1970, Emerson tem sua biografia colada à história do Sistema Único de Saúde, e da Saúde Coletiva brasileira. Entre os serviços de saúde, e a Universidade onde desenvolve suas atividades de ensino e pesquisa, é autor de uma importante obra, que constitui uma referência obrigatória para pensar o campo da saúde coletiva hoje e no futuro.

Para falar sobre isto a Rede Unida publica entrevista concedida pelo Emerson ao nosso site, através do coordenador nacional, Túlio Franco. 

Entrevista.

Rede Unida: Emerson, você tem mais de 40 anos dedicados aos sistemas de saúde, e à formulação do campo da saúde coletiva. Fala um pouco da sua trajetória.

Emerson Merhy: Sou um velho sanitarista, formado em saúde pública em 1976, depois de ter terminado a medicina na USP em 1973 e feito residência em medicina preventiva e social no Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da USP – DMPS/FMUSP. Fui aluno de Maria Cecília Ferro Donnangello e Guilherme Rodrigues da Silva, contemporâneo de Ricardo Bruno Mendes Gonçalves e Lilia Blima Schraiber no DMPS da FMUSP e no mestrado que fiz ali.

Na saúde pública fui da mesma turma de Davi Capistrano da Costa Filho, José Ruben de Alcântara Bonfim, Ana Maria Segall, entre dezenas de companheires fundamentais na construção e luta pela reforma sanitária. Éramos todes antes de existência da saúde coletiva e da luta pela reforma.

Com esse grupo fundamos o CEBES e a Revista Saúde em Debate, cuja primeira sede foi na minha casa em São Paulo. A partir desses processos e da minha participação nos movimentos sociais urbanos, em geral, em especial na zona leste, desde os anos 1971, e da construção do movimento social de saúde na cidade de São Paulo, com milhares de outres ativistas, nunca mais deixei de tomar a luta pela construção de um país menos desigual, construído no reconhecimento do direito de todes à rede de proteção social, onde qualquer vida socialmente existente vale a pena ser vivida e deve ser protegida pela sociedade brasileira.

Trabalhei por anos nas periferias da cidade de São Paulo e de várias cidades da região de Campinas. Nos meados dos anos 1980 fui para UNICAMP onde desenvolvi minha longa carreira acadêmica. E agora estou como professor titular de Saúde coletiva, na UFRJ.

RU: Conte sobre a sua história com a Saúde Coletiva na Argentina, e especialmente em Rosário. 

EM: Essa história começa nos anos 1993, quando houve o VIII Encontro de Atenção Primária à saúde em Buenos Aires e convidaram vários brasileiros para estarem por lá. Davi Capistrano da Costa Filho, Gastão Wagner de Sousa Campos, eu, Jairnilson Paim, vários sindicalistas da CUT envolvidos com o Instituto de Saúde da CUT nacional, e tantes outres que pertenciam ao Movimento Sanitário Brasileiro.

Nesse encontro fizemos grandes aproximações com um dos organizadores, que foi quem nos convidou, o Hugo Spinelli, responsável pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade de Lanus, na Argentina. Além dele, no meu caso, fiz aproximações e partilhas com Celia Beatriz Iriart e Mario Testa.

Hugo e Celia vieram, na sequência, fazer doutorado na UNICAMP com Gastão Wagner e comigo.

A partir daí, todo ano, sem falha, fui à Argentina trabalhar em vários eventos, seja do movimento social, sejam acadêmicos.

Com Mário e Célia participei de Cursos de Especialização em Ciências Sociais e Saúde, na Universidade de Buenos Aires - UBA, e de encontros de distintos tipos dos movimentos sociais.

Depois de um tempo, Hugo, já doutor, virou professor da Universidade Nacional De Lanus, onde com vários de seus parceiros fundou o Instituto De Saúde Coletiva – ISCO. Logo abriram o Mestrado em Epidemiologia e Gestão em Saúde, no qual vários de nós, brasileiros, passamos a compor o corpo docente. Estou lá há mais de 20 anos.

Meus contatos com Rosário foram desde sempre de muita curiosidade da minha parte, pois fosse qual fosse a situação da Argentina durante todos esses anos, Rosário sustentou governos locais progressistas e de traços socialistas, adotando noções de Reforma Sanitária, Reforma Psiquiátrica e Sistema Único de Saúde como eixos para suas políticas governamentais no campo da saúde. Sua aproximação com a experiência brasileira era bem interessante através da FIOCRUZ. Durante um certo período se aproximaram do Gastão Wagner, que foi várias vezes para lá. Eu tinha mais contato através do Mestrado de Lanus, onde tive vários alunos que eram de lá.

Até alguns anos atrás, quando com Celia fui convidado a participar de alguns eventos lá em Rosário. Quando Mario Drisun foi Secretário da Saúde de Santa Fé, província a qual pertence Rosário. A partir daí, várias das minhas produções e várias das minhas atividades em Rosário foram sendo conhecidas.

Passei a me encantar com a acumulação que havia em vários coletivos dentro do campo da saúde, no sentido de uma luta por justiça social e o direito à saúde.

RU: O que representa para você o título de Doutor Honoris Causa concedido pela Universidad Nacional de Rosario?

EM: Quero falar da “partilha do sensível”, aqui. Ao chegar em Rosário e encontrar os muitos profissionais da rede de saúde e da universidade que batalharam pelo meu título, tive, pelo meu corpo sensível, a plena noção de que já os conhecia na intimidade. Que éramos parceires de longa data e que tínhamos um enamoramento de longo período. Me senti em casa, nos afetos.

Foi impactante, pois até hoje fico meio pasmo em ter sido homenageado desse modo por pessoas tão lindas e com histórias de luta profissional e social tão ricas.

Saí de lá mais sabido e amoroso.

O lado de ver o diálogo que iam construindo com vários pensamentos que venho elaborando sobre a micropolítica do cuidado e as tecnologias de cuidado foi, para mim, surpreendente e ao mesmo tempo um grande prazer.

Nossos sensíveis se tocavam e davam sentido aos pensamentos.

Me senti feliz e cúmplice da luta de todes elas/eles.

Até hoje, fico pensando que nunca tinha imaginado isso, esse nível de reconhecimento por parte de coletivos tão distintos: acadêmicos, profissionais do campo das políticas públicas, coletivos de vários movimentos sociais, estudantes de várias áreas do conhecimento.

Sempre me pego surpreso e sinto que tenho uma responsabilidade maior pelo o que publicizo, do que penso, do que sinto, do que escrevo, do que falo.

Sinto-me agradecido e membro desses coletivos todos em Rosário, em particular, mas com a argentina em um sentido maior, olhando pelo lado da justiça social e do enfrentamento da desigualdade, na latinidade americana que me invadiu.

A luta contra a tirania no nosso continente adquiriu um peso chave no meu corpo, de agora em diante.

Me irmano com os vários povos que compõem essa linda possibilidade humanitária.

RU: Fale um pouco dos efeitos deste importante reconhecimento do seu trabalho e sua obra. 

EM: Imagino que já falei disso, antes, mas é algo ímpar poder ver que faz sentido a construção da experiência sobre a cotidianidade do cuidado e o lugar que aí ocupam tanto a micropolítica do trabalho vivo em ato, quanto o campo formativo da educação permanente.

Há algum tempo tenho visto ressonância dessa construção não só na Argentina, mas no Uruguai, no Chile, na Colômbia, no México, na Venezuela, na América Central, entre outros lugares do mundo, entretanto, sentir o que senti em Rosário foi como uma certa consagração do valor das décadas de lutas, tentando demarcar que o fundamental para construirmos uma civilização mais em torno da produção de mais vida na terra, como um todo, é o que faz sentido pleno para a construção da vida de cada um de nós, na luta contra o desastre que o neoliberalismo necropolítico vem produzindo hoje, no mundo.

                                                                                                                                               

                                                                                                                                                                   Rio de Janeiro, dezembro de 2019.